Domingo, 22 Outubro 2017
Fale com a gente! 18 3302-3444 / contato@jornalvozdaterra.com.br

NOTÍCIA

07/04/2017

Mestre: se ligue...

.


NELSON CILO

O dono da lua me procurou ontem (6) aqui na redação para, emocionado, assumir que curtiu a minha homenagem a ele dedicada pelo aniversário de um garoto de quase nove décadas na estrada.  Vejam bem os movimento pausados. Notem: os passos dele não se cansam. Os gestos expõem a grandeza de uma nobre figura estampada na galeria de ouro. Que, repito, é de cultivar e iluminar o dom da sabedoria, além da inteligência literária que o caracteriza.

Refiro-me ao escritor e professor Pedro Mercadante Leite do Canto, que nem precisaria me agradecer. Ok: escutei o coração na hora de redigir o artigo. Portanto, apenas revelei a minha sinceridade. De repente, recebo demorados abraços e alguns beijos distribuídos em cada face. Expliquei ao mestre que só reverencio personagens acima de qualquer suspeita. Não errei. Se não fosse assim, a Nadir – a mulher de verdade – não te aguentaria desde os tempos do namoro no escurinho da cidade. Os teus filhos não se derreteriam de orgulho ao badalar o herói de uma família feliz. Exatamente cinco sementes que frutificaram no teu jardim: Andreia, Fabiana, Juliana, Alessandro e Marcelo. 

Saibas que já me ludibriei muito na vida – e me arrependo - ao distribuir confetes ao advogado Henrique Belinotte, ao líder da OAB/Assis Carlos Pinheiro, ao presidente da Acia Nami Sabeh, ao Rei Ruela (incorrigível cachaceiro da pracinha e fracassado tranqueira da pior espécie na história do Legislativo). E mais: aos dois Manés da Cooperativa de Cândido Mota – o Manezão e o Manezinho - além do pinguço da loja e de outros que nem vale a pena citar. Quanto ao primeiro nome aqui apontado, não desistirei nunca de levá-lo à Comissão de Ética. Um dia, darei a listagem completa. Esperem e verão.

É isso, Pedrão: sou de me render às pessoas inatacáveis no contexto das maiores lisuras. Das atitudes que valorizem os homens de H maiúsculo. Do contrário, caríssimo, o senhor poderia ganhar, no máximo, uma notinha no pé desta página. No entanto, achei muito mais conveniente destacá-lo na medida exata de um editorial porque mereces muito mais do que comentei na edição desta quarta-feira (5). Mestre: se ligue. Reveja o script...

Compartilhe: