Terça-feira, 10 Dezembro 2019
Fale com a gente! (18) 3022-2303

NOTÍCIA

21/11/2019

Parceria entre Plant Health Care e Coplacana trazem proteína inovadora ao Vale

Novidade na agricultura


Parceria entre Plant Health Care e Coplacana trazem proteína inovadora ao Vale

A Associação Rural dos Fornecedores e Plantadores de Cana da Média Sorocabana (ASSOCANA), em Assis, sediou, na quarta-feira, 13, o lançamento da proteína Harpin, com nome comercial de H2Copla, que proporciona maior produtividade potencializando o crescimento da planta ou grão, garantindo lucro ao produtor rural. A apresentação do produto ocorreu no auditório da entidade e contou com aproximadamente 30 produtores regionais que puderam conhecer novidade e tirar possíveis dúvidas para utilizá-lo já no próximo plantio.

Coube ao engenheiro agrônomo Rodrigo de Miranda, diretor da Plant Health Care Brasil, apresentar a proteína orgânica que, segundo ele, não penetra na planta, apenas habilita a planta ou grão e, em contato com o meio ambiente, degrada-se em minutos, preservando o solo e os rios. 

“Trata-se de um fertilizante orgânico simples classe A que tem 38% de carbono orgânico e foi patenteado nos Estados Unidos em 1991 e, ao termos contato com os resultados, decidimos trazê-la ao Brasil através de uma parceria com a Coplacana. Isso foi em 2016, quando fizemos uma experiência em alguns locais específicos.Com os primeiros resultados positivos, de aumento da produtividade e lucro, fomos expandindo e hoje, já podemos apresentar resultados e estatísticas em eventos como este, da Assocana”, apontou o engenheiro agrônomo.

O produto deve ser aplicado nos canaviais segundo o protocolo padrão, onde recomenda-se a aplicação no suco e folha da planta. H2Copla é o nome comercial da proteína e, em casos de estiagem, como ocorreu na região do Vale Paranapanema em várias oportunidades nas últimas colheitas, é uma boa notícia. “A aplicação do H2Copla torna as plantas mais tolerantes à seca. Ou seja, a planta fica mais tolerante em casos de estresse severo”, explica Miranda.  “Um aumento de, pelo menos, 10 a 12 toneladas é o esperado. Mas depende do tempo entre o plantio e a colheita para que seja definida a quantidade de H2Copla aplicada e quanto ele poderá potencializar a colheita e o lucro com o aumento da produção.” De acordo com o agrônomo, o produto também pode ser aplicado em sementes como soja e milho , duas c ulturas muito comuns na região.

Início

Após ouvir menções à possível inovação que a proteína poderia trazer ao universo Agro, Miranda convenceu a empresa americana que tem a patente da tecnologia a testá-la, na prática, num dos maiores mercados agrícolas do mundo: o agronegócio brasileiro. E isso ocorreu no dia 1º de setembro de 2016 quando ele, foi para o campo e pulverizou, pessoalmente, o H2Copla sobre quatro campos de cana de açúcar, na região de Piracicaba. “Decidi por a ‘mão na massa’ e eu mesmo realizar o experimento. Em 60 dias, já observei o resultado e, desde então, viemos, ano a ano, expandindo o mercado sempre com respeito à planta, ao solo e ao meio ambiente”, revelou.
 

Compartilhe: